Expresso Cultural

últimas notícias

Braza agita fãs curitibanos

Postado por: Camila Tebet 0 Categoria: Música
Foto: Camila Tebet/Expresso Cultural

Foto: Camila Tebet/Expresso Cultural

Os fãs que ficaram órfãos com o anúncio do fim da banda Forfun, lá por metade de 2015, logo foram agraciados com a divulgação de um novo projeto: a banda Braza, composta por Danilo Cutrim (guitarra e voz), Nícolas Christ (bateria) e Vitor Isensee (teclado e voz). No último sábado, dia 26 de novembro, os cariocas trouxeram, pela segunda vez, o projeto para Curitiba. O show aconteceu no Music Hall.

Em uma apresentação curta, de cerca de 1h20 de duração, foram interpretadas as músicas do primeiro disco, que leva o mesmo nome da banda. Quem tinha expectativas de que os músicos tocassem sucessos do antigo projeto, Forfun, teve uma leve decepção, pois a noite foi exclusiva para mostrar todo o gingado e mistura de ritmos da nova banda.

As músicas possuem ritmos marcantes e misturam diversos estilos, combinando rock a elementos de reggae, soul e hip-hop. As letras trazem usuais críticas à sociedade feitas pelo grupo. O show começou com a apresentação de “Além”, seguida pelas canções “Embrasa” e “Oxalá”. Entre as próximas músicas, o vocalista Danilo Cutrim entoou frases de protesto ao governo atual e incentivo à liberação da maconha: “Fora Temer” e “Legalize”.

Em uma das canções, próxima ao fim do show, a banda Braza recebeu ao palco o músico curitibano Charles Britto, que interpretou algumas melodias na gaita. Ele, que sofreu um grave acidente em 2001 e ainda está em recuperação, mostrou toda a superação e a força de sua música.

Com três músicos de apoio no palco, a banda Braza transformou a noite de sábado com sua animação e ginga. Finalizando o show com “Segue o baile”, o grupo deixou os fãs ansiosos para o que ainda está por vir.

Foto: Camila Tebet/Expresso Cultural

Foto: Camila Tebet/Expresso Cultural

Foto: Camila Tebet/Expresso Cultural

Foto: Camila Tebet/Expresso Cultural

Camila Tebet

Jornalista, é apaixonada por cultura em todas as suas vertentes. Acredita no poder de transformação social e intelectual que as artes possuem e tenta, mesmo que aos poucos, democratizá-la.