Expresso Cultural

últimas notícias

Conheça os livros que originaram o filme “O lar das crianças peculiares”

Postado por: Camila Tebet 0 Categoria: Literatura

Esta semana estreou nos cinemas o novo filme de Tim Burton, O lar das crianças peculiares. O filme é baseado na série de livros “O lar da Srta. Peregrine para crianças peculiares”, escrita pelo autor americano Ransom Riggs. Composta por três livros, a série já foi lançada integralmente no Brasil. Que tal conhecer um pouco mais dessas obras que inspiraram o filme de fantasia?

livros-peregrine

O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares

Lançado em 2011, é o primeiro da série. A obra chegou no Brasil em 2012 e inicialmente foi publicada pela editora Leya, mas a continuação foi lançada pela Intrínseca. O romance mistura ficção e fotografia em uma experiência única de leitura. Uma das coisas mais bacanas desse livro é que o autor construiu a história com base em fotografias antigas, reunidas pelo autor, que comprou as imagens de diferentes colecionadores.

Após anos colecionando fotos da década de 1930, Riggs foi convidado a produzir uma obra de Halloween com as imagens, mas as fotos eram tão esquisitas que seu editor sugeriu construir uma história a partir das imagens. Assim, Riggs deu vida à Jacob, um garoto de 16 anos que busca respostas para os segredos que seu avô guardou por muito tempo. Em sua jornada, ele vai até uma ilha remota no País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares.

No mesmo local, em tempos de 2ª Guerra Mundial, seu avô viveu no local e lembrava com carinho de sua infância. Acontece que o lugar não era nem um pouco normal, mas sim habitado por seres peculiares, com habilidades extraordinárias como levitação, invisibilidade, entre tantas outras. Quando chega à ilha, Jacob descobre um universo completamente diferente do seu e passa a questionar as verdades impostas a ele.

orfanato1

Aparecem no livro mais de 45 fotografias antigas autênticas. No fim da obra, Ransom Riggs fala um pouco da escolha das fotos: “Elas foram emprestadas de arquivos pessoais de dez colecionadores, pessoas que passaram anos e horas incontáveis revirando caixas gigantes de retratos de todos os tipos em brechós, feiras de antiguidade e vendas de garagem para encontrar umas poucas fotos transcendentes, resgatando imagens de significado histórico e extraindo beleza da obscuridade – e, muito provavelmente, do lixo”.

Assim como a história construída pelo autor, as imagens que aparecem no livro também são bastante peculiares e com uma atmosfera um tanto quanto sombria, apesar dos personagens da obra serem encantadores ao invés de assustar. Ransom Riggs soube aproveitar muito bem as imagens e criou um equilíbrio entre as fotos e o texto. Na contracapa do livro, inclusive, há um elogio do próprio Tim Burton: “Vocês têm certeza de que não fui eu quem escreveu esse livro? Parece algo que eu teria feito…”

Cidade dos etéreos

Lançado no Brasil no primeiro semestre de 2016, “Cidade dos etéreos” é o segundo livro da série. Aqui, o jovem Jacob Portman continua sua jornada no mundo cheio de peculiaridades que descobriu no primeiro volume. Agora, ele está junto das crianças peculiares e eles precisam escapar de um exército de monstros que persegue os peculiares e também suas protetoras, as ymbrines. Eles precisam descobrir um jeito de fugir disso e ainda encontrar uma maneira de ajudar a srta. Peregrine, que está presa no corpo de uma ave. Assim, eles partem rumo ao desconhecido e em busca de uma cura para Peregrine. Sua viagem, com destino a Londres, será repleta de surpresas e novas descobertas. Uma jornada em que se deve desconfiar de todos a fim de garantir a sobrevivência.

Além de ter muito mais ação, este segundo volume também explora melhor as personagens, apresentando suas diferentes peculiaridades. Mesmo aqueles que parecem ter habilidades “inúteis” revelam como são importantes para a trama e seu desenrolar. Nesse segundo volume, as imagens da obra vieram para complementar a história que o autor já havia criado. Isso permitiu que Riggs desenvolvesse melhor o enredo e explorasse com mais calma o mundo que criou.

Outro ponto que merece destaque é a edição do livro. Publicada pela Intrínseca, a obra conta com capa dura, sobrecapa e páginas coloridas, que enriquecem a experiência de leitura e tornam a edição muito bonita e condizente com a história.

hollowcity2

Biblioteca de Almas

O terceiro e último volume da série chegou às livrarias brasileiras em agosto. Na continuação da história, Jacob descobre uma poderosa habilidade e terá que usá-la para resgatar os amigos peculiares e as ymbrynes das mãos dos acólitos (veja a explicação dos conceitos na parte final do texto). Para isso, terá ajuda de Emma, uma garota que consegue produzir fogo com as mãos, e Addison MacHenry, um cão com faro especial para encontrar crianças perdidas.

O grupo irá percorrer as ruelas do chamado Recanto do Demônio, uma fenda temporal que abriga variados tipos de vícios e perversões. É ali que o destino dos peculiares será decidido. Assim como os volumes anteriores, o terceiro livro da série também conta com fotografias antigas, que ajudam a construir a história de fantasia e aventura. Além disso, a edição segue a linha do segundo livro, com capa dura, sobrecapa e páginas coloridas.

Contos peculiares

ilustracao1Para ninguém ficar triste com o fim da série e matar as saudades do mundo peculiar criado por Ransom Riggs, o livro “Contos Peculiares” foi lançado. A obra é uma coletânea de contos e fábulas citada ao longo da série, o livro tem as histórias que os peculiares escutam a protetora contar e recontar.

Além de também ter uma edição belíssima, com ilustrações a cada conto, a obra traz histórias muito bacanas que enriquecem ainda mais a série. Aqui, cada história tem sua moral e ajuda o leitor a compreender o universo peculiar. Algumas das histórias que o livro traz são a de um menino que vira gafanhoto e foge com um grupo de gansos; uma princesa com língua de cobra à procura de um príncipe com quem se casar; canibais ricos que comem braços e pernas de peculiares que têm o dom de se regenerar, entre tantas outras.

Os contos foram compilados por Millard Nullings, o menino invisível que mora no lar da srta. Peregrine. Ele coloca notas de rodapé e comentários ao longo da obra, que a tornam ainda mais divertida. As histórias são muito criativas e possuem um bom ritmo de leitura.

Conceitos elaborados pela editora Intrínseca para ajudar a compreender a história

Peculiares: Ramo oculto de qualquer espécie, seja humana ou animal, abençoado (e amaldiçoado) com traços sobrenaturais. Respeitados na Antiguidade, porém temidos e perseguidos em tempos mais recentes, os peculiares são párias que vivem nas sombras.

Fenda: Área em que um único dia se repete infinitamente. Criada e mantida por ymbrynes para abrigar seus protegidos peculiares, as fendas interrompem o envelhecimento de seus habitantes. Mas eles não são imortais: cada dia que “pulam” é uma dívida acumulada, a ser paga com um envelhecimento rápido pavoroso se permanecerem tempo demais fora da fenda.

Ymbrynes: Matriarcas transmorfas do reino peculiar. São encarregadas de proteger crianças peculiares. Têm os poderes de se transformar em aves quando bem entendem e de manipular o tempo. Na antiga língua peculiar, a palavra ymbryne significa “revolução” ou “circuito”.

Etéreos: Ex-peculiares, ávidos pela alma de seus antigos irmãos. São monstros cadavéricos e ressequidos, exceto pelas mandíbulas musculosas, dentro da qual abrigam línguas poderosas como tentáculos. São especialmente perigosos por serem invisíveis a todos, com exceção de alguns poucos peculiares, dos quais Jacob Portman é o único vivo de que se tem conhecimento (seu falecido avô era outro). Até pouco tempo atrás, quando uma inovação recente ampliou suas habilidades, os etéreos não podiam entrar nas fendas, que, por isso, eram a moradia preferida dos peculiares.

Acólitos: Etéreos que evoluíram e se tornaram visíveis para todos e em tudo semelhantes a uma pessoa normal, com uma exceção: os olhos sem pupilas, perfeitamente brancos. Brilhantes, manipuladores e habilidosos em se disfarçar, os acólitos passaram anos se infiltrando tanto na sociedade normal quanto na peculiar. Eles podem ser qualquer um: o balconista da mercearia, o motorista do ônibus, seu psiquiatra. Realizaram uma longa campanha de assassinato, medo e sequestro de peculiares, usando os etéreos como seus monstruosos assassinos. Seu objetivo final é se vingar e assumir o controle do mundo peculiar.

peculiares2

 

Camila Tebet

Jornalista, é apaixonada por cultura em todas as suas vertentes. Acredita no poder de transformação social e intelectual que as artes possuem e tenta, mesmo que aos poucos, democratizá-la.